maio 07, 2017

Ouro

Certa vez, ganhou uma rosa. Os olhos brilharam.
No outro dia, um chocolate.
No outro, um jantar num lugar a beira mar.
Depois uma calça de marca.

Nunca esquecera quem lhe dera apenas uma carta rabiscada a mão, mas de tanto que queria mais e mais, comeu uma pepita de ouro que ganhou e morreu.

Não tem poética. Mas não era para ter mesmo.

Nenhum comentário: