março 12, 2017

Bipolar

Bipolar, eu corro riscos.

Me falaram uma vez que meu celular permitia que as grandes empresas soubessem tudo sobre mim. Fico imaginando se um dia, um amigo, aquele amigo de sempre, se virasse contra mim.

Talvez meio bipolar, com acesso a todas as minhas conversas, desejos e individualidades. O limiar divisor entre o amar e o temer.

Me escondo em desculpas esfarrapadas, nos sumiços dos cafés do dia a dia. Mas você está sempre lá, mapeando meus sentimentos, meus desejos e minhas fugas.

Bipolar, eu corro riscos. Bipolar, eu te amo. Bipolar, eu não sei mais o que fazer.

Nenhum comentário: