março 07, 2010

Novo início

Rastejando por um novo início, a cobra via os dois primeiros humanos na Terra. A árvore aguardava lá, com apenas uma bela maçã. A cobra, dotada de toda maldade, chama atenção para a maçã. A mulher fica tentada a cada comentário da cobra. Esta última, quase como uma publicitária, vende toda a imagem e prazer que aquela maçã poderia trazer.
A mulher desesperada em tê-la, tenta subir pelo tronco da árvore, mas sem sucesso. Pegando algumas pedras no chão, prepara-se para jogar para derrubar a maçã. Avisada pela cobra, a mulher para antes que destruísse a fruta.
A cobra, cheia de boas intenções, oferece-se para retirar a maçã e entregá-la. Enroscando-se num movimento sensual, a maçã é retirada. Lentamente, descendo pelo tronco, a cobra estende a maçã e puxa assim que a moça tenta pegá-la. Novamente, o bicho repete todas as tentações e prazeres que aquela fruta poderia trazer.
Agora, determinada, a cobra estende definitivamente a cauda. A mulher rapidamente pega a maçã.
- Ei! Espere! Olha aqui!
- O quê?
Sem mais, ela, a cobra, puxa a fruta e come a maçã.
"Não rastejarei."

3 comentários:

Jay e Alê disse...

POr acaso me aporto aqui depois de tanto tempo e que bom ver que vc continua em alto e bom estilo.
Sucesso.
Abraço
Jay

Estéphanie Mognatto disse...

Gostei do Texto.=D
Só um Detalhe teologico,A cobra do jardim do edén não é como a de hoje, ela tinha asas,portanto ainda não rastejava. Depois foi amaldiçoada e passou a rastejar.

Saudade de você!
Eu ri quando você comparou a cobra com os publicitarios ashuashiuash
xD

Clara disse...

"Esta última, quase como uma publicitária, vende toda a imagem e prazer que aquela maçã poderia trazer."

Adorei!

E muito bom o texto! Parabéns! =)