março 31, 2010

Falso Amor [2]

Porque te amar
é entregar aquilo que sinto.
Você me tem nas mãos.

Sem dificuldades
pega meu coração
e joga na terra suja.

Por onde anda?

E é tão estranho agora me ver sozinho...


(por onde anda?)

Falso Amor

Você me ensinou a amar


Com todo carinho
Desejo que rasteje por mim
Sua cobra venenosa

Certeza

Gosto de minha certeza ao fazer as coisas.






(Pena que isso é raro)

março 28, 2010

Confusão mental

e me pergunto sobre o amor
e todas as possibilidades que não tive.


Me lamento. Sim, me lamento.
Ou talvez não. Talvez eu só reclame.


Quero uma coisa idealizada, de sonho,
mas também quero só por alguns beijos.

Vôo sobre espaços que não posso ver
Acho que estou ficando cego.

março 25, 2010

Dor alheia

Sinto pena da sua dor.
Me comove.

Não.
Dou risadas mesmo!

Se fode que eu gosto.

Verdades Forjadas [4]

Quero o peso de minhas verdades forjadas de volta...

Não. Pode ficar.

março 23, 2010

Tempestade

Tempestades me animam.

Posso sentir o vento vindo.
Carregue-me.

março 22, 2010

Medo

E o medo da solidão
Me aprisiona
No que devia ser meu refúgio de liberdade...

Vingança

Como ficar longe de você?
Não consigo.
Eu te amo.

Me apunhale pelas costas!
Vingue-se.

março 17, 2010

Sem título [x]

Eu só quero viver


Feche os olhos
Relaxe.

Deixa acontecer.

março 15, 2010

Assoprar

Corro porta adentro. Fecho-a com a velocidade do medo.
Estou sozinho e a solidão bate à porta.
"Se você não abrir, eu vou assoprar, assoprar..."

Destino

Vivendo e revivendo sentimentos.
Não vivo de passado.

Apenas presente,
o agora.

Não posso me culpar
por meu destino cíclico.

Podre

É incrível quando você pensa que alguém que é podre consegue se superar.
No melhor estilo de: quanto mais pratico, melhor fico.

março 14, 2010

Tranqüilidade

E vejo a luz
ecoando dentro
da água.

Posso ouvir
o barulho
e gosto.

Águas azuis
calmas
e estou dentro.

Que beleza...

Gota

Sorri na certeza de que está tudo certo.
Olhos nos olhos.
Vai dar tudo certo.

Uma gota escorre
pelo vidro do ônibus
que não estava na história.

Biscoito da Sorte

Quebra o biscoito e tira o papel:

"Este é um amuleto do amor. Guarde com você e terá quem ama aos seus pés".

Sem olhar para trás.
Amassa e joga o bilhete ao vento...

Cansei

Cansei de ser otário...





...e continuo sendo.

Trouxa

Onde tá a fila para me fazer de trouxa?
As senhas não acabam?

Sem título

Saudade de sentar no meio-fio
de cidade de interior
com os pés na rua de terra
e os cabelos ao vento.

O céu me chama.
Fecho os olhos.
Ouço os gritos
Daquilo que temia.

Juramento dos 15 anos [2]

É triste descobrir que quebrei o juramento.

Última opção

Porque eu te conquisto
Te domino.

Meus olhos azuis
que você tanto elogia
e eu te provoco.

E você some.
Sou sempre a última opção.

Quem se importa?

Sem valor
É a nota que recebi.
Falsa. Tosca.

Acham que eu sou otário.
Me deram uma nota falsa.
Quem se importa?

Sem valor
Foi o bolo que me deram.
Quem se importa?

Silêncio

Fico em silêncio
mexendo as mãos
ou a perna.

Hora ou outra
exprimo algum som
tentando romper o silêncio.

Sem assunto.
Não me entrego à sorte.
Não posso!

Fala comigo.

Ilusão [2]

Queria ser um ilusionista
Mas não tenho dom
nem habilidade.

Enquanto isso,
viro vítima do meu sonho.

Ilusão

Gosto de me iludir com você.

Badalar dos Pêndulos

O vento bate nos pêndulos
Estou sentado na varanda
Enquanto o tempo bate em mim.

E estou me perdendo
entre essa e aquela dimensão
E me transporto

Meus pensamentos que me libertam
Enquanto trazem de volta
O baladar dos pêndulos.

março 13, 2010

Sem mim...

Gosto do seu jeito
De me tentar
e cortar.

Me provoca
Me consome
Entra em meus pensamentos

E foge
Sem pistas
Sem mim...

março 10, 2010

Indecisão [2]

Hoje descobri que não estou apaixonado.
Bem, não tenho que descobrir por quem.

Partindo

Hoje despertei do meu transe.

Estou partindo
sem dores
sem tesouro
sem tristeza
sem alma

Joguei você no lixo
mas estou bem.

Morte dupla

É díficil te matar
Quando tenho que me sufocar junto...

março 09, 2010

Destruição

E seu descaso me destrói.

Eu tento,
tenho motivos,
mas não consigo.


O seu descaso me destrói.

Indecisão

Hoje descobri que estou apaixonado.
Só me falta saber por quem.

março 08, 2010

Bom enquanto durar

Estou bem.
Como consigo rir tão bobamente?
Não consigo me conter de tanta alegria. Meu sorriso escapa às minhas bochechas. Elas são vitimadas a se puxarem. Gosto disso. Gosto dessa sensação.
Fecho os olhos.
Corro bem rápido. Sinto o vento em meus cabelos.

É hora de pular...
Bom enquanto durar...

Bilhete Não-Entregue [3]

E jogo ao vento
Esses bilhetes que
não tenho coragem de mandar


Espero que ele os leia
e assopre por aí...

Bilhete Não-Entregue [2]

E quando lembro quem eu sou
Tenho medo
Perco a razão


(Don't leave me)

Invisible

Só quero existir à sua sombra.

Não me importo.
Não quero o estrelato.

Bilhete Não-Entregue

Não posso controlar o tempo.

Estou feliz e subitamente posso morrer.
Não depende de mim.

(Don't leave me)

março 07, 2010

Não importa

Não importa o que diga
Não importa o que faça

Esqueça.
Leave me alone.
Sem surpresas.

Novo início

Rastejando por um novo início, a cobra via os dois primeiros humanos na Terra. A árvore aguardava lá, com apenas uma bela maçã. A cobra, dotada de toda maldade, chama atenção para a maçã. A mulher fica tentada a cada comentário da cobra. Esta última, quase como uma publicitária, vende toda a imagem e prazer que aquela maçã poderia trazer.
A mulher desesperada em tê-la, tenta subir pelo tronco da árvore, mas sem sucesso. Pegando algumas pedras no chão, prepara-se para jogar para derrubar a maçã. Avisada pela cobra, a mulher para antes que destruísse a fruta.
A cobra, cheia de boas intenções, oferece-se para retirar a maçã e entregá-la. Enroscando-se num movimento sensual, a maçã é retirada. Lentamente, descendo pelo tronco, a cobra estende a maçã e puxa assim que a moça tenta pegá-la. Novamente, o bicho repete todas as tentações e prazeres que aquela fruta poderia trazer.
Agora, determinada, a cobra estende definitivamente a cauda. A mulher rapidamente pega a maçã.
- Ei! Espere! Olha aqui!
- O quê?
Sem mais, ela, a cobra, puxa a fruta e come a maçã.
"Não rastejarei."

março 06, 2010

Lugar próprio

"Se ponha em seu lugar" - É tão estranho ouvir essa frase. De tantas vezes que a ouvi e não entendi, me pergunto realmente o que significaria. Conversar com você, me trouxe as respostas que buscava a essa pergunta.

Pega fogo cabaré.
Meu valor; meu lugar.

março 05, 2010

Monstro

Só você não vê o monstro que a faz correr? Veja no lago, olhe bem fundo, mas não se assuste. Não pode fugir dele.

março 04, 2010

Você

E seus elogios
Seu jeito de gostar
do que faço

Seu jeito estranho
de me querer
e falar comigo

Me dão raiva.
Some da minha vida.

março 03, 2010

Verdades Forjadas [3]

A dor intensa e o desejo de inibir o que sinto.
Vômitos suaves de verdades forjadas.
E de tanto tentar, consegui.

Não sinto mais nada...
E da lenta e intensa morte,
sinto apenas um leve éter.

Minhas verdadeiras palavras
sinceras e inventadas
e agora... nada.

Quero minhas verdades de volta...

Por mais que você diga

Por mais que você diga
Aconteceu.

Não estou apaixonado por você.
Não posso estar.

Por mais que você diga
Você jamais será minha.

março 02, 2010

Alucinógenos

Vejo as luzes girarem ao redor da minha cabeça. Não me preocupo. Estou pelado de madrugada na Fernando Ferrari. Giro mais e mais. Vejo luzes de todas as cores. Uma luz amarela forte vem em minha direção, girando e crescendo. Será minha salvação?

SunDance [2]

Chove chove chove
e daí?

Eu quero sol.

março 01, 2010

Não à Nostalgia

Esse meu texto não vai ser sobre nostalgia.
Por que só escrevo sobre nostalgia?
O que o passado me traz?

Não entendo.
Mas também não quero entender.
As coisas mudaram nos últimos tempos.

Também não quero pensar no que perdi
ou deixei de fazer.
Se não aconteceu, nunca foi meu.
Não foi perda.

Estou sentado na janela do meu ônibus
e vejo a chuva começar a cair.
O sinal está vermelho e o veículo acelera,
sem se locomover.

E ver a chuva cair lentamente, fina,
sem pessoas passando na rua
me remetem àquilo à nostalgia.

Não quero! Já disse. Não quero!
Não vou falar de nostalgia.

O sinal abre.
Uma gota escorre pelo vidro do ônibus.
Deus me viu.