setembro 15, 2020

Portais

Passei pelo portal e tudo havia se invertido

onde havia culpa

agora há paz


As memórias continuam ali

A dor continua


E eu que sempre achei que numa outra dimensão

havia algum eu

que não sofresse com a tristeza

 

Talvez algum dia

numa queda repentina em outro portal

nada disso faça sentido

julho 24, 2020

Carro

Andava calmamente na rua
Um carro passava por mim
E acenava

A buzina vinha como um flerte
Olhava firme e a menor tentativa
De me aproximar
Logo já o perdia de vista

Certo dia, ele já não apareceu
Caminhadas tranquilas
Atentas às ruas
Esperando o buzinar

Aquela sensação de correr
Para pegar o ônibus que saiu
Nos segundos antes

Um dia, o carro virou o
Quarteirão, parou
Buzinou

Olhei atento
Sigo meu caminho
Ainda esperando minha carona

janeiro 02, 2020

Renascer

Talvez eu esteja morrendo um pouco a cada dia
Pode ser que um dia eu me vá
E ache que renasci

junho 03, 2019

limáo para a tristeza

Virei a quinta glacial da noite
não sabia muito o que esperar
mas também não lembro dos rostos me cumprimentando

quero me enquadrar na minha idade
mas a pele me leva de volta ao rolê


rodo, tomo uma long neck
sento numa mesa sozinho
litrão, por favor

março 22, 2019

Noite comum

Passei no posto, peguei uma long neck e comprei um maço de Camel.
- O azul, por favor.

A chuva tinha estiado e já era possível andar até a festa. Era uma sexta-feira realmente cheia nos bares. Olhei ao redor, não tive vontade de parar. Estava eu, andando só, pelas ruas molhadas do bairro até o local do meu último teletransporte alcoolico. Um lugar pequeno, escuro, com rock tocando. Era o que eu precisava.

A surpresa viria de quem quer que aparecesse na área de fumante. Mais uma bebida. E outra. E outra. No fundo, um local escuro, uma sombra. Um beijo acontece.

Aquela conexão, aquele beijo, aquele gosto de cigarro na boca. Eu já o conhecia, mas não o reconhecia.

- Caralho. Gostei muito de você.
- Eu também. Sempre gostei.

Um leve silêncio tomou conta do lugar. Uma comemoração pela próxima música do set. Saimos correndo. Não nos vimos mais.

março 18, 2019

loucura

Eu fui sobrevivendo
e enterrando as dores do passado
meu corpo era minha tumba
ao mesmo tempo que me livrava dos pensamentos tão dolorosos
guardava como tesouros as ranhuras que a vida me deu

num leve piscar de olhos
e uma decisão que parecia insana
aceitei meu destino

deixei todos pra trás

sigo nesta jornada
com um copo de birita na mão

que a loucura me leve

março 11, 2019

nada aconteceu

Escrevi e reescrevi meu texto
joguei no google


escrevi a mesma coisa há oito anos
deleto
finjo que nada aconteceu